nota 1. por uma ciência comunitária

CC – Flickr – Quadraro

Para além de uma “comunidade científica”, penso na importância de uma ciência comunitária. Aqui, inspirada no feminismo comunitário da feminista aymara Julieta Paredes (2014 [2010], p.90), torna-se fundamental pensar que enquanto cientistas estamos em relação de “complementaridade, autonomia e reciprocidade” com outros grupos sociais que também são produtores de saberes. Uma ciência comunitária, para além de aberta, se constrói enquanto um “tecido das complementaridades, reciprocidades, identidades, individualidades e autonomias” (PAREDES, 2014 [2010], p.90), bordado nas relações políticas que estabelecemos enquanto sociedade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s